Posts Tagged ‘design’

Nerds de areia

28/07/2011

Sensacional essa escultura de areia que vi no Neatorama esses dias, com destaque para Super Mario e o cogumelinho ali em cima. É de um artista chamado Guy-Olivier Deveau. Bem melhor do que aquela galera da Praia de Ipanema que só esculpe mulher com a bunda pro alto…

Aliás, falando em 8-bit, diz aí se esses óculos não fariam sucesso na mesma Praia de Ipanema. Pode ser seu pela módica quantia de 198 euros, aqui. Vi no LOL.

Anúncios

O cisne e a bailarina

08/01/2011

Vocês já devem ter reparado que no mundinho cinematográfico só se fala em “Black swan” (ou “Cisne negro”), o novo trabalho de Darren Aronofsky (“Requiém para um sonho”, “Pi”, “O lutador”), protagonizado pela Natalie Portman. É praticamente um filme de terror sobre balé (!), com direito a cena lésbica entre a estrela e a personagem de Mila Kunis (a Jackie de “That’s 70 show”), trama psicológica e participação de Wynona Rider.  Estão falando muito bem por aí e, hype por hype, estou sentindo mais firmeza na qualidade desse do que em “A origem”, quando também só se falava nisso. A conferir no início de fevereiro, quando o filme está previsto para estrear aqui.

Esses dias, o blog de cinema do Guardian publicou um post sobre os cartazes de divulgação do filme, que são incríveis. Foram concebidos por um estúdio inglês e inspirados em posteres tchecos e poloneses das décadas de 60/70, e propagandas de balé do início do século XX. São quatro imagens que serão usadas para promover o longa junto com os cartazes convencionais dos estúdios. O texto traz uma entrevista com um dos artistas do estúdio que criou as imagens, além das palavras de uma historiadora de design, que analisou cada uma tecnicamente. Coisa fina.

No final da matéria,  o blogueiro torce para que “Black swan” seja tão bacana quanto os cartazes, e cita dois exemplos de filmes que não corresponderam à expectativa criada por seus posteres: “Somewhere”, de Sofia Coppola (e eu discordo completamente, acho o filme é incrível!) e “A origem”, de Christopher Nolan (aí sou obrigada a concordar, porque a imagem do prédio descolando é beeem mais legal que todo aquele falatório).

Eu quero…

01/10/2010

… um sofá de Tetris.

(via Neatorama)

Sociologia de banheiro

17/09/2010

E quando a gente pensa que já viu de tudo, surge um texto na internet relacionando símbolos de porta de banheiro aos problemas da sociedade quanto às diferenças de gênero e todo esse papo feminista. E o pior, o texto é até interessante em alguns momentos. Vi no Neatorama o link do post, publicado num blog chamado Sociological images.

A mocinha alega que os homens normalmente aparecem nos símbolos como simples “pessoas”, já que podem representar toda a humanidade. E as mulheres como “pessoas de saias” porque, não sendo homens, não são consideradas “pessoas”. Hein? Pois é, se você acha isso tudo muito complicado e um besteirol feminista demais, pelo menos dá para se divertir com os diferentes ícones usados ao redor do mundo para separar meninos e meninas na hora de fazer um pipizinho. Alguns chegam a ser quase ofensivos, de tão explícitos. O texto completo (em inglês) e mais imagens estão aqui.

Redes sociais em modelo retrô

05/08/2010

Vi no Urlesque ainda agorinha estes cartazes vintage sensacionais da agência de publicidade brasileira Moma. Eles criaram propagandas retrô de Youtube, Skype e Facebook, estilo anos 50, para um seminário chamado Maximídia. O trabalho é parte de uma campanha chamada “Tudo envelhece rápido”.  Colocaria fácil, fácil na minha parede.

Sobre cartões-postais e personagens

23/07/2010

O pessoal do blog Ilustrada no cinema descobriu essa semana um projeto bem legal chamado “Postcards to Alphaville“. O site reúne ilustrações que homenageiam personagens marcantes (ou não) da história do cinema. Cada artista (você, caro leitor, pode se candidatar também se quiser) escolhe um filme e usa a imaginação para oferecer sua visão sobre determinada figura fictícia.

Entre meus favoritos estão, coincidentemente, imagens de filmes que moram no meu coração. Os dois de David Lynch que figuram na lista, por exemplo, estão ótimos: o homem assustador, misterioso e sem sobrancelhas de “Estrada perdida” e o inesquecível Frank (belo trabalho de Dennis Hopper, que Deus o tenha) de “Veludo Azul”.

O Bob Harris de “Encontros e desencontros” também é uma perfeição, assim como a simétrica ilustração do robô Hal 9000, de “2001, uma odisséia no espaço”, cheio de sentimentos. O trabalho com texturas na representação do jurado número 4 de “Doze homens e uma sentença” merece uma olhada. Aliás, cliquei no site da artista, Gediminas Šiaulys, e é bem interessante. Vai lá dar uma navegada entre todos eles, clicando aqui.

O site é bem feito, com navegação muito simples e agradável. É possível ordenar as imagens por filme, personagem ou artista, além de conhecer melhor os ilustradores em seus blogs e sites pessoais, disponíveis em cada desenho. O “Postcards to Alphaville” é idealizado e editado por um certo Paul Paper, que descobri ser um rapazinho de 25 anos nascido na Lituânia e cheio de projetos. A ideia do jovem é lançar o resultado do trabalho em livro, e o site tem até uma ferramenta para quem quiser doar uma grana e ajudar a colocar as ilustrações no papel. Taí um livro que eu compraria fácil…

Vai uma balinha? E um chiclete?

08/06/2010

(Tudo à venda na Neatoshop.com)

Olha o passo do elefantinho

09/05/2010

A partir da esquerda: o soldadinho, o "fish and chips", o mapa de londres e o elefante autoexplicativo

 Depois das vacas, é a vez dos elefantes. A Elephant Parade vai levar 250 bichinhos que receberam intervenção de artistas e celebridades para as ruas de Londres de maio a julho. No final, os discretos animais são leiloados ou vendidos, e a grana vai servir para ajudar instituições de caridade e, bem, os elefantes da Ásia. 

Quem não quiser ter um proboscídeo gigante dentro de casa pode comprar as miniaturinhas na loja online. Entre os artistas que desenvolveram os looks para as esculturas estão três brasileiros: Bruno Paschoal Cepollina, Fernando Pires Jorge e Mariana Bassani. Veja mais fotos dos fofinhos aqui.

Nova York em formato de Lego

29/04/2010

O designer e ilustrador alemão Christoph Niemann construiu a maior parte da sua carreira em Nova York, onde morou de 1997 até 2008. São dele algumas capas de revistas como New Yorker, Wired e Newsweek, são dele alguns prêmios de importantes associações de ilustradores e é dele também o blog Abstract City, no site do New York Times, com várias séries de desenhos bem interessantes. A mais recente, inclusive, é graficamente inspirada no Google Maps e vale uma olhada.

Um dia, enquanto brincava de Lego com seu filho, ele começou a usar as pecinhas para  montar prédios, pessoas ou situações que são ícones da grande maçã. Nascia assim a primeira ideia de “I Lego NY”, o livro com fotos das criações de Niemann e seus comentários e explicações engraçadinhos, lançado este mês.  Alguns são ótimos, como a reprodução da cena clássica de “Taxi Driver” com Robert De Niro no espelho falando “You talking to me?” ou a representação do cabelo de Donald Trump em apenas duas pequenas peças.

Há ainda referências bem nova-iorquinas, como os famosos táxis amarelos, o prédio Empire State (com o King Kong, inclusive) e os shows da Broadway, além de cenas corriqueiras de qualquer grande cidade, como um pé que fica preso ao asfalto por um chiclete. Na fotogaleria do Guardian é possível ver mais algumas imagens.